Sinais de desidratação no bebé e na criança

Share on facebook
Partilhe

Como temos vindo a falar, a água é o elemento central na nutrição humana e assume um papel ainda mais relevante em pediatria – 75% do peso corporal de uma criança é composto por água e as taxas metabólicas na infância implicam necessidades hídricas substancialmente mais elevadas comparativamente ao adulto.

Em condições normais, a água ingerida e produzida diariamente pelo próprio corpo, compensam as perdas fisiológicas, tanto pela urina e fezes como pela evaporação da água através dos pulmões e da pele (não incluindo o suor). No entanto, existem diversas causas comuns, em idade pediátrica, que levam a uma perda significativa de água corporal e geralmente também de eletrólitos, chamando-se a esse incidente de desidratação. Neste artigo pretendemos dissipar algumas das dúvidas mais comuns, sobre a desidratação no bebé e na criança.

Quais as causas mais frequentes da desidratação?

As causas mais comuns e frequentes da desidratação são de ordem cutânea, respiratória e gastrointestinal:

Cutânea – febre, temperatura ambiente elevada e queimaduras;

Respiratória – dificuldade respiratória;

Gastrointestinal – diarreia e vómitos.

Quais os sinais e sintomas da desidratação?

A desidratação classifica-se em 3 graus – ligeira, moderada e grave – conforme a intensidade dos sinais e sintomas aos quais deve estar atento. Passamos a apresentar uma tabela com os principais e também os mais facilmente identificáveis.

O agravamento da desidratação pode ocorrer de forma brusca e repentina, pelo que, principalmente nos lactentes (0-2 anos), deve estar especialmente atento aos sinais e sintomas. À mínima dúvida, não hesite em contactar um profissional de saúde para que o aconselhamento seja mais adaptado à situação específica do seu bebé. Opte por uma água mineral natural que contenha eletrólitos/minerais essenciais à saúde e bem-estar do seu bebé ou, em casos de desidratação, que ajude a combatê-la de forma mais rápida e eficaz. Consulte o comparador de águas e escolha, de forma consciente, a água que melhor o acompanha. Entretanto, descubra aqui algumas estratégias que ajudarão a introduzir a água na rotina do seu bebé.

E não se esqueça:
Cuide do seu corpo e do corpo do seu bebé por inteiro. Beba Água do Vimeiro

Enf. Célia Pinheiro

Enf. Célia Pinheiro

Enfermeira em Pediatria e Conselheira em Aleitamento Materno pela UNICEF

Share on facebook
Partilhe

Artigos Relacionados