Importância dos minerais para os celíacos

Partilhe

A doença celíaca é uma doença autoimune que, como reação ao consumo de glúten – uma proteína encontrada no trigo, cevada, aveia, centeio e seus derivados, presente na dieta básica do mundo ocidental -, causa atrofia da mucosa do intestino delgado, tornando-o responsável pela má absorção de ferro, folato, magnésio, cálcio e vitamina D, assim como vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K), hidratos de carbono, gorduras, outros sais minerais e água.

Uma dieta isenta de glúten, é o único tratamento conhecido para a doença celíaca.
No entanto felizmente, quando densa em nutrientes (mas não necessariamente em energia – calorias), a dieta sem glúten ajuda a reparar o intestino, curar os danos intestinais provocados, evitar mais danos gastrointestinais e a promover uma boa saúde em geral. Uma dieta concentrada em frutas e vegetais, proteínas magras e cereais sem glúten, fornecerá os nutrientes necessários para a maioria dos doentes com doença celíaca.

O cálcio pode ser encontrado em alimentos integrais que fornecem um conjunto de nutrientes importantes (vegetais de folhas verdes, cereais integrais sem glúten, produtos de soja ricos em cálcio, feijão e frutos secos). A co ingestão de cálcio e vitamina D potencia a absorção de ambos. Mas, ao contrário da quantidade de alimentos ricos em cálcio disponíveis, as fontes alimentares de vitamina D são muito limitadas podendo ser encontrada em peixes como o espadarte, salmão e atum, leite fortificado, e gemas de ovos. Para além destas fontes, temos ainda a pele que sintetiza vitamina D, pelo que é muito importante a exposição solar, de forma consciente, durante 30 minutos diários, sem protetor solar e com hidratação assegurada.

O magnésio é um outro mineral muito importante, que ajuda na fadiga que os doentes celíacos habitualmente sentem, uma vez que este micronutriente ajuda na produção e transporte de energia no organismo. Boas fontes alimentares de magnésio incluem vegetais de folhas verdes, bananas, abacates, ervilhas, feijões, produtos de soja e cereais integrais sem glúten, tais como arroz castanho e painço (Millet).

Mas, para além dos alimentos, poderá ser igualmente a água uma importante fonte de minerais essenciais?

A resposta está na água!

No processo de reabilitação do intestino, a hidratação é uma peça chave e deve ser garantida através da ingestão de águas mineralizadas fontes de cálcio e magnésio. A água rica em minerais naturais, devido aos efeitos dos sais nela dissolvidos, parece ter grande potencial na regulação das dietas modernas, que são pobres em micronutrientes, nomeadamente cálcio e magnésio. E, assim sendo, beber água equilibradamente mineralizada poderá acrescentar mais valor e atenuar desequilíbrios, melhorando a saúde.

A água do Vimeiro Original é uma água equilibradamente mineralizada que, em 2 litros, fornece 22,2% da dose diária recomendada (DDR) de cálcio e 15,7% da DDR de magnésio.

Apesar dos principais fornecedores de minerais serem os alimentos, nestes, a biodisponibilidade de minerais é menor do que na água mineral, já que os minerais contidos nos alimentos estão ligados a moléculas complexas que podem limitar a sua capacidade de absorção, enquanto que os minerais que compõem a água encontram-se sob a forma de iões livres e, portanto, com uma biodisponibilidade superior.

De acordo com a definição da Organização Mundial de Saúde (OMS), a água muito pouco mineralizada é praticamente ou completamente livre de minerais dissolvidos, muitas vezes o resultado de destilação, desionização, filtração por membranas, eletrodiálise ou alguma outra tecnologia. No outro extremo, a água com elevada mineralização é geralmente definida como água que contém uma alta concentração de iões e bicarbonatos de cálcio e magnésio. Esta é uma das razões pela qual devemos dar importância à escolha da água que bebemos. E, na vida quotidiana, a escolha de uma água equilibrada em minerais pode ser uma fonte significativa de ingestão de minerais necessários ao equilíbrio funcional e à saúde.

Compare a mineralização das diferentes águas disponíveis no mercado através do comparador de águas e descubra também como a versão com gás da Vimeiro Original pode tornar o seu pão sem glúten ainda mais apetitoso aqui.

Picture of Dra. Cláudia Minderico

Dra. Cláudia Minderico

Nutricionista Clínica e Desportiva

Pela sua saúde, cuide do seu corpo por inteiro, beba Água do Vimeiro.

Partilhe

Artigos Relacionados

Barulhos digestivos porque acontecem

Barulhos digestivos, porque acontecem?

Os ruídos abdominais são aqueles sons que ouvimos dentro do nosso estômago e intestinos que, por vezes, vezes, parecem um ronco vindo do estômago. Mas afinal, o que significam? Neste artigo, vamos explicar tudo o que precisa de saber sobre esses sons digestivos .

Águas do Vimeiro: Qualidade, Bem-Estar e Compromisso com a Saúde

A saúde começa, de facto, com um processo digestivo otimizado e é através deste que se consegue obter os nutrientes necessários ao bom funcionamento do organismo em todas as fases da vida.

Os minerais e as vitaminas – os micronutrientes – são essenciais para o bom funcionamento do sistema digestivo.

No entanto, é do conhecimento geral, que, atualmente, a dieta alimentar carece frequentemente destes micronutrientes essenciais, o que conduz a inúmeros problemas de saúde. Também os hábitos e a agitação quotidiana provocam o desconforto no funcionamento do organismo, sobrecarregando os órgãos envolvidos na digestão: a má mastigação, o comer de pé e à pressa, o excesso ou a falta de nutrientes principais.