Hidratação na prática de futebol

Share on facebook
Partilhe

A hidratação deve fazer parte da rotina do atleta de qualquer modalidade desportiva, uma vez que influencia o rendimento durante o exercício, diminui o tempo de recuperação a curto prazo, otimiza as adaptações a médio e longo prazo e até promove o balanço energético.
A água é fundamental nos vários processos metabólicos, pelo que quando o atleta não se hidrata de forma adequada, o organismo tem processos de adaptação mais limitados, reduzindo o seu rendimento físico e cognitivo.
É possível recuperar mais rapidamente de uma hipoglicémia do que de uma desidratação. Um gel, uma barra energética, uns copos de sumo, entre outros, podem contribuir para que a glicémia do atleta se normalize rapidamente. No entanto, pode levar horas para se recuperar de uma desidratação forte. Quando a temperatura é mais elevada, como no Verão, todos os cuidados são poucos para uma boa hidratação.
O futebol, ao ser um desporto intermitente de alta intensidade, com uma duração competitiva bastante elevada (90 minutos), está associado a um gasto energético também ele muito elevado, rondando, em média, as 16 kcal/min. Este gasto energético vai provocar fadiga no jogador, o que naturalmente implicará um aumento da sua temperatura corporal.

Porque é que a hidratação é importante durante o exercício?

A água tem muitas funções importantes no organismo, como manter o volume sanguíneo e regular a temperatura corporal. Para além dos benefícios da hidratação já aqui mencionados, durante o exercício, com o aumento da intensidade e duração do mesmo, o organismo tem necessidade de arrefecer, razão pela qual é produzido e libertado suor, resultando numa perda de fluido corporal. Se este não for reposto, pode conduzir a estados de desidratação no atleta. É importante realçar que o suor não é apenas água simples – H2O -contendo também uma variedade de eletrólitos ou minerais importantes para o bom funcionamento do organismo. A hidratação durante o exercício revela-se assim extremamente necessária para repor os constituintes do suor, como é exemplo o Sódio – tão importante para ajudar o organismo a manter o equilíbrio dos fluidos corporais, evitando a desidratação.
A perda de minerais é individualizada e depende de inúmeros fatores, entre eles o número de glândulas sudoríparas, o sexo ou a composição corporal. É, por isso, fundamental que a água ingerida pelos atletas tenha um valor nutritivo relativo a este e a outros minerais essenciais, de forma a otimizar a hidratação, a cuidar do corpo por inteiro, a recuperar mais rapidamente do esforço físico despendido e ajudar o organismo a produzir esforços intensos (devido à manutenção da frequência cardíaca e à capacidade de arrefecer o corpo).

Uma vez que o consumo de água é tão importante para a saúde e performance desportiva, os atletas devem ter atenção à qualidade da água que ingerem, garantindo que a água que escolhem é composta pelos minerais a repor durante e após a prática desportiva. O consumo de água mineralizada que contenha boas quantidades de minerais, como é o caso da Água Mineral do Vimeiro – Vimeiro Original – que é a única água portuguesa com uma composição muito aproximada das recomendações para atletas, faz desta a escolha nº1 para os desportistas em Portugal.
Consulte o comparador de águas disponibilizado em https://www.aguadovimeiro.pt/comparador/

A desidratação influencia o desempenho?

A desidratação média de um jogador de futebol, ao longo de um jogo, é de, aproximadamente, 3,4% do seu peso. Uma desidratação de apenas 2% do peso corporal (o que equivale a 1,5L numa pessoa de 75 kg) reduz em 30% a capacidade de rendimento físico e intelectual/cognitivo (tomada de decisões) do atleta.

Uma água equilibradamente mineralizada, como a Água do Vimeiro, é a chave para uma boa hidratação antes, durante e após o exercício de qualquer atividade desportiva. E o futebol não é exceção.

Até lá  Cuide do seu corpo por inteiro. Beba Água do Vimeiro

Share on facebook
Partilhe

Artigos Relacionados

A água com gás engorda! Mito ou verdade?

Alguns destes estudos sugerem que a água com gás pode aumentar a gerlina, que é uma hormona da fome. De facto, quando os níveis de gerlina são elevados, sente-se mais fome e é provável que se coma mais, o que pode levar a um aumento de peso.