A importância do Cálcio na gravidez e na infância

Partilhe

O cálcio é um mineral cuja importância é transversal a qualquer fase do ciclo vital. Desempenha um papel fundamental na mineralização óssea contribuindo, juntamente com o fósforo, para a formação e manutenção de ossos e dentes saudáveis e fortes. Para além disso, participa noutros processos não menos importantes, como a coagulação sanguínea, a contração muscular, a transmissão de impulsos nervosos, a secreção hormonal, e a regulação da contração muscular cardíaca.

Na gravidez, o cálcio tem um papel fundamental relacionado com a formação e desenvolvimento dos ossos do bebé. Mas não só, é ainda importante na regulação das contrações uterinas.
Contudo, é na infância e adolescência que as necessidades são maiores, pois é indispensável para o crescimento e aumento da estatura das crianças.

Mas onde encontramos cálcio? Só nos alimentos? Ou será que na água também?

Como o cálcio não é produzido pelo organismo e, tal como os outros minerais, vai sendo utilizado constantemente nos vários processos metabólicos, tem necessariamente de ser obtido, através da ingestão diária de alimentos e de água generosos neste mineral.

O leite e os seus derivados (como o iogurte e o queijo) são fontes naturalmente ricas em cálcio e com elevada biodisponibilidade, ou seja, o cálcio presente nestes alimentos é mais facilmente absorvível pelo organismo.

Também com elevada biodisponibilidade em cálcio, igual ao leite com lactose e superior ao leite sem lactose, temos a Água Vimeiro Original. Enquanto o cálcio (como os restantes minerais) presente nos alimentos está ligado a outras moléculas, tendo de ser digerido e separado das mesmas para ser absorvido, na água, o facto dos iões estarem livres leva a que a absorção dos minerais seja total e mais rápida. Sabia que a Água Vimeiro Original tem cerca de 122mg de cálcio por litro, fornecendo assim mais de 22% da dose diária recomendada deste mineral para um adulto saudável?

São ainda fontes de cálcio (mas com menor biodisponibilidade) as hortaliças de folhas verdes escuras como a couve, agrião, brócolos e espinafres. Também as leguminosas como a soja; os frutos secos como as amêndoas e as avelãs; os peixes, como o salmão ou a sardinha e os moluscos, são igualmente boas fontes do mineral aqui em destaque.

Importa ainda salientar, que existem circunstâncias que podem influenciar a absorção intestinal do cálcio. Assim, pode ser inibidor neste processo, a ingestão de fibra em grande quantidade, o excesso de consumo de proteínas e gordura, a cafeína, o álcool, alguns medicamentos e a deficiência em vitamina D no organismo. Enquanto que, a presença de lactose na dieta e a ingestão de água mineralizada pode ser uma condição favorável.

Então qual a dose diária recomendada de cálcio?

A dose diária recomendada do cálcio não é a mesma ao longo da vida, vai variando conforme a idade. Assim:

  • 0 – 6 meses – 200 mg/dia
  • 7 – 12 meses – 260 mg/dia
  • 1 – 3 anos – 700 mg/dia
  • 4 – 8 anos – 1000 mg/dia
  • 9 – 13 anos – 1300 mg/dia
  • 14 – 18 anos – 1300 mg/dia
  • A partir dos 19 anos – 1000 mg/dia

Durante a gravidez a capacidade intestinal materna de absorção de cálcio duplica. Deste modo, graças a este mecanismo de adaptação do organismo, as necessidades de cálcio, caso a mãe pratique já uma alimentação adequada e equilibrada relativamente a este mineral, não estão aumentadas durante estes períodos – gravidez e amamentação.

Quais são então as consequências de uma ingestão deficitária em cálcio?

De forma geral, quando a ingestão de cálcio é inferior à recomendada, o organismo recorre às reservas deste mineral no esqueleto (local de armazenamento do mesmo), o que pode resultar numa perda de tecido ósseo.

Mais especificamente durante a gravidez, a ingestão inadequada de cálcio pode levar ao desenvolvimento de osteopenia (diminuição gradual de massa óssea) mas também a parestesias e cãibras musculares. Também o risco de desenvolvimento de pré-eclampsia fica aumentado e pode haver comprometimento do crescimento intra-uterino.

Ainda, e para terminar, alguns estudos revelam que o insuficiente consumo alimentar de cálcio na infância e adolescência, pode levar à diminuição do crescimento e desenvolvimento durante a puberdade. O aumento do risco de aparecimento de excesso de peso/obesidade, de doenças ósseas e, consequentemente, maior exposição a fraturas e osteoporose em idade mais avançada, são também outras das consequências mais frequentes.

Por isso, já sabe: mantenha uma dieta equilibrada em cálcio e lembre-se que a Água do Vimeiro Original é, a par com os alimentos, uma boa fonte deste mineral. Descubra no Comparador de Águas qual é a água mineral natural portuguesa nº1 em Cálcio e noutros minerais igualmente importantes.

Cuide do seu corpo por inteiro. Beba Água do Vimeiro

Enf. Célia Pinheiro

Enf. Célia Pinheiro

Enfermeira em Pediatria e Conselheira em Aleitamento Materno pela UNICEF

Partilhe

Artigos Relacionados

Importância da Hidratação no regresso à Escola

A saúde começa, de facto, com um processo digestivo otimizado e é através deste que se consegue obter os nutrientes necessários ao bom funcionamento do organismo em todas as fases da vida.

Os minerais e as vitaminas – os micronutrientes – são essenciais para o bom funcionamento do sistema digestivo.

No entanto, é do conhecimento geral, que, atualmente, a dieta alimentar carece frequentemente destes micronutrientes essenciais, o que conduz a inúmeros problemas de saúde. Também os hábitos e a agitação quotidiana provocam o desconforto no funcionamento do organismo, sobrecarregando os órgãos envolvidos na digestão: a má mastigação, o comer de pé e à pressa, o excesso ou a falta de nutrientes principais.